Publicado

2021-07-01

A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”

Neoliberal Planetary Urbanization and the Discourse of Resilience and Sustainable Urbanization: A Critical Reflection on the “New Global Urban Agenda”

La urbanización planetaria neoliberal y el discurso de la resiliencia y la urbanización sostenible: una reflexión crítica sobre la “nueva agenda urbana global”

DOI:

https://doi.org/10.15446/rcdg.v30n2.88748

Palabras clave:

dispositivo, nova agenda global, reestruturação e reescalonamento, resiliência, sociedade de risco global, urbanização neoliberal, urbanização sustentável (pt)
device, new global agenda, restructuring and rescheduling, resilience, global risk society, neoliberal urbanization, sustainable urbanization (en)
dispositivo, nueva agenda global, reestructuración y reprogramación, resiliencia, sociedad de riesgo global, urbanización neoliberal, urbanización sustentable (es)

Descargas

Autores/as

Sob o ponto de vista de uma teoria crítica urbana, esse artigo de análise, visa examinar a relação entre a produção do espaço, no processo de urbanização neoliberal, com as ações de reestruturação e reescalonamento ligadas às políticas e agentes produtores do espaço urbano, e sua vinculação, atual, com o fenômeno das mudanças climáticas e seu papel na reestruturação urbana das cidades mundiais. Discute-se a ligação do paradigma da “sociedade de risco” global com a ascensão de discursos e narrativas como: resiliência e urbanização sustentável, associados ao fenômeno das mudanças climáticas, e seus principais agentes difusores. Realiza-se também uma reflexão sobre a construção de narrativas a respeito do papel da autonomia e da descentralização do Estado, presentes no discurso neoliberal da produção e gestão de risco da governança urbana global. Trata-se de uma pesquisa qualitativa. Conclui-se, que existem, atualmente, dispositivos que promovem a desresponsabilização do Estado perante as populações vulneráveis social e ambientalmente das cidades do Sul Global, e o estímulo a privatização de bens comuns e serviços públicos, esses dispositivos estão ligados ao padrão de urbanização planetária neoliberal hegemônico contemporâneo.

From the point of view of a critical urban theory, this analysis article aims to examine the relationship between the production of space in the process of neoliberal urbanization, with the restructuring and rescheduling actions linked to policies and agents that produce urban space, and its current link with the phenomenon of climate change and its role in the urban restructuring of world cities. To this end, the connection between the global risk society paradigm and the rise of discourses and narratives as: resilience and sustainable urbanization associated with the phenomenon of climate change and its main disseminating agents. This analysis is completed with reflection on the construction of narratives about the role of autonomy (individual and collective) and the decentralization of the State, present in the neoliberal discourse of risk production and management and of space production in global governance. It is a qualitative research. To carry out the study, in addition to extensive bibliographic research, a documentary analysis was carried out to examine reports, websites and documents linked to multilateral institutions, among others. It is concluded that, currently, there are devices/narratives that promote the State’s lack of responsibility towards the socially and environmentally vulnerable populations of cities in the Global South, and the stimulus to the privatization of common goods and public services. These devices are linked to the pattern of contemporary hegemonic neoliberal planetary urbanization.

Desde el punto de vista de una teoría urbana crítica este artículo tiene como objetivo examinar en el proceso de urbanización neoliberal, la relación entre la producción de espacio y las acciones de reestructuración y reprogramación vinculadas a políticas y agentes que producen espacio urbano; así como su vínculo actual con el fenómeno del cambio climático y su papel en la reestructuración urbana de las ciudades del mundo. Se discute la conexión entre el paradigma global de la sociedad del riesgo y el surgimiento de discursos y narrativas tales como: resiliencia y urbanización sostenible, asociadas con el fenómeno del cambio climático y sus principales agentes de difusión. También hay un reflejo sobre la construcción de narrativas sobre el papel de la autonomía y la descentralización del Estado, presente en el discurso neoliberal de producción y gestión de riesgos de la gobernanza urbana global. Es una investigación cualitativa. Se concluye que, actualmente, existen dispositivos que promueven la falta de responsabilidad del Estado hacia las poblaciones social y ambientalmente vulnerables de las ciudades en el Sur Global, y estimulan la privatización de bienes y servicios públicos comunes. Estos dispositivos están vinculados al patrón de urbanización planetaria neoliberal hegemónica contemporánea.

Referencias

Agamben, Giorgio. 2005. “O que é um dispositivo?” Outra Travessia, no. 5, 9-16. https://doi.org/10.5007/%25x

Bakhtin, Mikhail. 2006. Marxismo e filosofia da linguagem. 12ª Ed. São Paulo: Hucitec-Anna Blume.

BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). 2014. Plano de ação João Pessoa Sustentável. Brasil: bid, Fundo Socioambiental Caixa e Prefeitura Municipal de João Pessoa. Consultado el 23 de abril de 2020. https://webimages.iadb.org/PDF/Joao+Pessoa+Action+Plan.pdf

BID (Banco Interamericano de Desarrollo). 2016. De ciudadesem ergentes a ciudades sostenibles–comprendiendo y proyectando las metrópolis del Siglo XX. Washington D.C: BID/ARQ Ediciones.

BIRD (Banco Mundial). 2017. Relatório anual 2017: erradicar a pobreza extrema, promover a prosperidade compartilhada. Washington D.C: BIRD/AID-Grupo Banco Mundial.

Bauman, Zygmunt. 2013. A cultura no mundo liquido moderno. Rio de Janeiro: Zahar.

Beck, Ulrich. 2009. World at Risk. Cambridge: Polity Press. Beck, Ulrich. 2010. Sociedade de risco: rumo a uma outra sociabilidade. Tradução por Sebastão Nascimento. São Paulo: Editora 34.

Beck, Ulrich. 2017. Las metamorfosis del mundo. Tradução por Fernando Borrajo Castanedo. Barcelona: Paidós-Espasa Libros.

Borja, Jordi, Fernando Carrión, e Marcelo Corti, eds. 2017. Ciudades resistentes, ciudades posibles. Barcelona: Editorial UOC.

Branco, Priscila Alves Teixeira. 2019. Smart Cities como dispositivos biopolíticos. Ponencia presentada em el VI Simpósio Internacional da Rede Latino-Americana de Estudos sobre Vigilância, Tecnologia e Sociedade (lavits), Universidade Federal da Bahia, Salvador-Brasil, del 26 al 28 de junho.

Brandão, Carlos Antonio, Víctor Ramiro Fernández, e Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro, Orgs. 2018. Escalas espaciais, reescalonamentos e estatalidades: lições e desafios para América Latina. 1ª ed. Rio de Janeiro: Letra Capital/Observatório das Metrópoles.

Brenner, Neil. 2010. “A globalização como reterritorialização: o reescalonamento da governança urbana na União Europeia.” Cadernos Metrópole 12 (24): 535-564.

Brenner, Neil. 2014. “Teses sobre a urbanização.” e-metropoles, no. 19, 6-26.

Brenner, Neil. 2018. Espaços da urbanização: o urbano a partir da teoria crítica. Rio de Janeiro: Letra Capital/Observatório das Metrópoles.

Brenner, Neil, Jamie Peck, e Nik Theodore. 2015. “Urbanismo neoliberal. La ciudad y el império de los mercados.” En El mercado contra la ciudad: sobre globalización, gentrificación y políticas urbanas, editado por Observatório Metropolitano de Madrid, 211-244. Madrid: Traficantes de Sueños.

Carrión, Fernando. 2017. La Ventriloquía de Hábitat III. En Ciudades para cambiar la vida. Una respuesta a Hábitat III, editado por Jordi Borja, Fernando Carrión y Marcelo Corti, 99-101. Quito: Café de las ciudades.

CNseg (Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização). 2013a. “Riscos de Inundação no Brasil: impactos no mercado segurador (Tag).” Consultado em 28 de setembro de 2020. http://sustentabilidade.cnseg.org.br/?tag=riscosde-inundacao-no-brasil-impactos-no-mercado-segurador

CNseg (Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização). 2013b. “Relatório de Responsabilidade Social e de Sustentabilidade do Mercado Segurador Brasileiro.” Consultado em 28 de setembro de 2020. https://issuu.com/confederacaocnseg/docs/relat__rio_de_responsabilidade_soci

Dardot, Pierre, e Christian Laval. 2016. A nova razão do mundoensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução por Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo.

Davis, Mike. 2004. “Planeta de Ciudades-Miseria: involución urbana y proletariado informal.” New Left Review, no. 26, 5-34.

ElPaís.com. 2016. La “Agenda Oculta” de Habitat III en Quito. ElPais.com. Consultado em 20 de janeiro de 2019. https://elpais.com/elpais/2016/11/10/seres_urbanos/1478767051_442355.html

Estadão.com.br. 2017. Desastres naturais custaram ao Brasil R$ 182 bi em 20 anos. Estadão.com.br. 10 de março de 2017. https://sustentabilidade.estadao.com.br/blogs/ambiente-se/desastres-naturais-custaram-ao-brasil-r-182-bi-em-20-anos/

Foucault, Michel. 2008. Sociedade, território, população. São Paulo: Martins Fontes.

Giddens, Anthony. 2010. A política da mudança climática. Tradução por Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar.

Harvey, David. 2011. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. Tradução por João Alexandre Peschanski. SãoPau lo: Boitempo.

Harvey, David. 2013. Os limites do Capital. Tradução por Magda Lopes. São Paulo: Boitempo.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 2018. População em áreas de risco no Brasil. Consultado em 15 de março de 2020. Rio de Janeiro: ibge. https://www.ibge.gov.br/geociencias/informacoes-ambientais/estudos-ambientais/21538-populacao-em-areas-de-risco-nobrasil.html

IDB (Inter-American Development Bank). 2020. “Seeking Solutions Across 160 Cities.” Consultado em 13 de maio de 2020. https://www.iadb.org/en/improvinglives/seekingsolutions-across-160-cities

Klein, Naomi. 2008. A doutrina do choque: a ascensão do capitalismo de desastre. Tradução por Marco de São João Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Lazzarato, Maurizio. 2013. La fábrica del hombre endeudado. Ensayo sobre la condición neoliberal. Traduçao por Horacio Pons. Buenos aires: Amorrortu Editores.

Lefebvre, Henry. 2004. A revolução urbana. Belo Horizonte: Humanitas.

Mendes, Luis. 2016. “A nova reforma da administração do poder local português ou a arte diabólica neoliberal de governar o espaço-capital.” Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais 5 (1): 114-142.

Nascimento, Alexandre Sabino do. 2015. “Do fixo ao fluxo: expressões da acumulação rentista-patrimonial ampliada na produção do espaço da metrópole do Recife.” Tese de Doutorado em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

ONU-Habitat (Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos). 2015. Documento de Políticas da Habitat III: 21–Cidades Inteligentes. Consultado em 13 de maio de 2020. Nova York: onu. http://uploads.habitat3.org/hb3/Issue-Paper-21_ciudades-inteligentes.pdf

ONU-Habitat (Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos). 2016. Nova Agenda Urbana. Consultado em 20 de maio de 2020. Quito: onu-habitat. http://uploads.habitat3.org/hb3/NUA-Portuguese-Brazil.pdf?fbclid=IwAR2koIM7MtgBh6i57G4fxWeWpbK52Jr7sXIrGdBbJF81bF2GSzY527FWdAY

ONU (Organização das Nações Unidas). 2018. General Assembly–International financial system and development. Consultado em 01 de junho de 2020. Washington D.C.: ONU. https://www.un.org/esa/ffd/documents/general-assembly/general-assembly-international-financial-system-anddevelopment.html

ONU (Organização das Nações Unidas). 2020. Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Consultado em 23 de março de 2020. Nova York: onu. https://nacoesunidas.org/pos2015/

Pacheco, Raquel Ferreira, e Silvia Regina Eulálio de Souza. 2017. “A psicologia junto às políticas públicas em situações de

emergências e desastres.” Pretextos–Revista de Graduação em Psicologia da puc Minas 2 (3): 131-149.

Peck, Jamie, Nick Theodore, e Neil Brenner. 2012. “Mal‑estar no Pós‑Neoliberalismo.” Novos Estudos cebrap, no. 92, 59-78 . https://doi.org/10.1590/S0101-33002012000100005

Porto-Gonçalves, Carlos Walter. 2003. Geo-grafías: movimientos sociales, nuevas territorialidades y sustentabilidade. México D.F.: Sieglo Veintiuno Editores.

Pulhez, Magarly Marques, e Lucina Nicolau Ferrara. 2018. “Entre a gestão pública e as empresas privadas: circuitos de conhecimento na urbanização de favelas e nas políticas socioambientais em São Paulo.” Revista do programa pósgraduação em arquitectura e urbanismo fauusp 25 (46): 56-71. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v25i46p56-71

Ribeiro, Suzana Kahn, e Andrea Souza Santos, ed. 2016. Mudanças Climáticas e Cidades. Relatório Especial do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Rio de Janeiro: Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE)/Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Santos, Boaventura de Sousa. 2010. Refundación del Estado en América Latina: perspectivas desde una epistemología del Sur. Lima: Instituto Internacional de Derecho y Sociedad.

Santos, Milton. 2002. A natureza do espaço: técnica e empo, razão e emoção. 4ª Edição. São Paulo: Edusp.

Sassen, Saskia. 2016. Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global. Tradução por Angélica Freitas. Rio de Janeiro: Paz & Terra.

Soja, Edward. 2014. En busca de la justicia espacial. Tradução por Carmen Azcárraga. Valencia: Tirant Humanidades.

Swiss Re. 2013. “42,5 milhões de brasileiros expostos ao risco de inundações.” Consultado em 28 de setembro de 2020. https://www.swissinfo.ch/por/riscos-naturais_42-5-milh%C3%B5es-de-brasileiros-expostos-ao-risco-deinunda%C3%A7%C3%B5es/32788234

Swiss Re. 2018. “Swiss Re Marine.” Consultado em 28 de setembro de 2020. https://www.swissre.com/dam/jcr:13e98fc9-5c02-4aba-8355-14955b05bd8e/lamina_marine_swissre_brasil.pdf

UN(United Nations). 2017. “International Financial System and Development–Report of the Secretary-General.” Consultado

em 27 de novembro de 2020. https://www.tralac.org/images/docs/12022/international-financial-systemand-development-report-of-the-un-secretary-generalaugust-2017.pdf

UNDP (United Nations Development Programme). 2019. “Goal 11–Sustainable Cities and Communities.” Consultado em 27 de outubro de 2019. https://www.undp.org/sustainabledevelopment-goals#sustainable-cities-and-communities

UNDRR (United Nations Office for Disaster Risk Reduction). 2015. “Marco de sendai para a redução do risco de desastres 2015-2030.” (Tradução: Defesa Civil do Paraná). Consultado em 10 de março de 2020. http://www.defesacivil.pr.gov.br/sites/defesa-civil/arquivos_restritos/files/documento/2018-12/MarcodeSendaiPortugues.pdf

UN-Habitat (United Nations Human Settlements Programme). 2020. “New Urban Agenda.” Consultado em 01 dezembro de 2020. https://unhabitat.org/about-us/new-urban-agenda

WEF (World Economic Forum). 2020. “Strategic Inteligence.” Consultado em 25 de outubro de 2020. https://intelligence. weforum.org/topics/a1Gb0000000LiPhEAK?tab=publications

Cómo citar

APA

Do Nascimento, A. S. (2021). A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”. Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía, 30(2). https://doi.org/10.15446/rcdg.v30n2.88748

ACM

[1]
Do Nascimento, A.S. 2021. A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”. Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía. 30, 2 (jul. 2021). DOI:https://doi.org/10.15446/rcdg.v30n2.88748.

ACS

(1)
Do Nascimento, A. S. A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”. Cuad. Geogr. Rev. Colomb. Geogr. 2021, 30.

ABNT

DO NASCIMENTO, A. S. A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”. Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía, [S. l.], v. 30, n. 2, 2021. DOI: 10.15446/rcdg.v30n2.88748. Disponível em: https://revistas.unal.edu.co/index.php/rcg/article/view/88748. Acesso em: 29 ene. 2022.

Chicago

Do Nascimento, Alexandre Sabino. 2021. «A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”». Cuadernos De Geografía: Revista Colombiana De Geografía 30 (2). https://doi.org/10.15446/rcdg.v30n2.88748.

Harvard

Do Nascimento, A. S. (2021) «A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”», Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía, 30(2). doi: 10.15446/rcdg.v30n2.88748.

IEEE

[1]
A. S. Do Nascimento, «A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”», Cuad. Geogr. Rev. Colomb. Geogr., vol. 30, n.º 2, jul. 2021.

MLA

Do Nascimento, A. S. «A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”». Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía, vol. 30, n.º 2, julio de 2021, doi:10.15446/rcdg.v30n2.88748.

Turabian

Do Nascimento, Alexandre Sabino. «A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”». Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía 30, no. 2 (julio 1, 2021). Accedido enero 29, 2022. https://revistas.unal.edu.co/index.php/rcg/article/view/88748.

Vancouver

1.
Do Nascimento AS. A urbanização planetária neoliberal e o discurso da resiliência e da urbanização sustentável: uma reflexão crítica em torno da “nova agenda urbana global”. Cuad. Geogr. Rev. Colomb. Geogr. [Internet]. 1 de julio de 2021 [citado 29 de enero de 2022];30(2). Disponible en: https://revistas.unal.edu.co/index.php/rcg/article/view/88748

Descargar cita

CrossRef Cited-by

CrossRef citations0

Dimensions

PlumX

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Visitas a la página del resumen del artículo

222